Capão da Canoa é um dos quatro municípios destaque na coleta seletiva no Brasil

Em recente pesquisa disponibilizada pelo portal Cempre, o maior acervo de indicadores da coleta seletiva no Brasil, que desde 1994 reúne informações atualizadas sobre a coleta seletiva em todo território nacional, foram analisados alguns indicadores sobre a coleta seletiva. Capão da Canoa aparece entre os quatro municípios destaque no Brasil. No município, é desenvolvido o Projeto Reciclar Capão, focado na educação ambiental e na promoção de práticas sustentáveis.
Com o objetivo de valorizar o trabalho realizado pelos municípios que participaram da pesquisa, o CEMPRE elegeu quatro municípios destaque no serviço de coleta seletiva, considerando os seguintes critérios: 100% da população é atendida pela coleta seletiva; o município não envia rejeitos para lixão ou aterro controlado; há forte participação de organizações de catadores na coleta seletiva. Com base nesses critérios, os municípios de destaque são: Itaúna/MG, Capão da Canoa/RS, Presidente Epitácio/SP e Tibagi/PR.
Na edição deste ano a metodologia de levantamento de dados foi revisada e o escopo foi reformulado e ampliado, contemplando informações sobre coleta seletiva, sistemas de logística reversa, organizações de catadores, além da opinião de especialistas do segmento de resíduos em relação à implantação da Política Nacional de Resíduos
Sólidos (PNRS) e ao impacto da COVID-19 na cadeia da reciclagem.
Para o Prefeito de Capão da Canoa, Amauri Magnus Germano, trata-se de uma notícia excelente e que coroa o trabalho desenvolvido há anos no município. “É uma motivação para continuarmos trilhando esse caminho, através dos projetos, da Asagee e de todos os envolvidos nessa grande e importante temática”, destaca.
A Pesquisa Ciclosoft 2020 ampliou as frentes pesquisadas, incluindo entrevistas com gestores públicos municipais, representantes de organizações de catadores e especialistas que atuam ou possuem influência na gestão de resíduos sólidos. Foram entrevistados representantes do poder público e organizações da sociedade civil, tais como o Ministério Público, Associação Nacional dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (ANCAT) e Confederação Nacional dos Municípios (CNM).
Também foram ouvidos representantes do setor empresarial, como a Coalizão Embalagens; de programas de logística reversa, como o Cidade Mais, Reciclar pelo Brasil, Recupera e ViraSer; e da iniciativa de compensação ambiental, como o EuReciclo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.